CARTÃO DE VISITAS BLOG DA DRIKKA CALCINHAS SHOW DE FOTOS DRIKKA TRAVESTI
FOTOS SENSUAIS
PÁGINA PRIVADA
SALTO ALTO
FOTOS 2016
TOP RELATOS
FOTOS 2015
VIAGEM 5
Dúvidas Leitor
Fantasias
Boneca Drikka Acomp.
Relatos Inéditos
Fotos Viagem1
Fotos Viagem2
Fotos Viagem3
Fotos Viagem4
DSTs/Sexo Seguro
Fotos Maio2013
Fotos Fetiche
Relatos Quentes 1
Relatos Quentes 2
Modelitos Balada 1
Relatos Apimentados
Galeria Fotos 1
Galeria Fotos 2
Galeria Fotos 3
Aventuras de Sabrina I
Aventuras de Sabrina II
Ensaios Passados
Para descontrair
Paradas Gay
Capas do Site 1
Capas do Site 2
Capas do Site 3
Capas do Site 4
Meu Diário/Blog Arq 1
Meu Diário/Blog Arq 2
Meu Diário/Blog Arq 3
Meu Diário/Blog Arq 4
Meu Diário/Blog Arq 5
Meu Diário/Blog Arq 6
Meu Diário/Blog Arq 7
Meu Diário/Blog Arq 8
Meu Diário/Blog Arq 9
Meu Diário/Blog Arq10
Meu Diário/Blog Arq11
Meu Diário/Blog Arq12
Meu Diário/Blog Arq13
Meu Diário/Blog Arq14
Meu Diário/Blog Arq15
Meu Diário/Blog Arq16
Meu Diário/Blog Arq17
Meu Diário/Blog Arq18
Meu Diário/Blog Arq19
Meu Diário/Blog Arq20
Meu Diário/Blog Arq21
Meu Diário/Blog Arq22
Drikka Loira
Acompanhantes de Curitiba
Especial fotos Carnaval
Drikka Noela
ESPECIAL DRIKKA 20 ANOS
Nesta página você ficará por dentro de assuntos relacionados com Doenças Venéreas...


MARÇO 2015 - ESPECIAL SOBRE HIV


Cerca de 734 mil pessoas vivem com o vírus HIV no Brasil. Destas, 589 mil estão diagnosticadas e, entre elas, 404 mil pessoas aderiram ao tratamento. Das pessoas em tratamento, 338 mil encontram-se com a carga viral indetectável. Os dados são de 2013 e foram divulgados em uma reunião realizada em Brasília, na terça-feira (17).

O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde sediou uma reunião do grupo de trabalho que cuida da parcela brasileira do Relatório da Resposta Global à Aids, do Unaids. Os participantes analisaram os esforços brasileiros entre 2014 e 2015 e os dados demonstram o progresso da luta contra o HIV no último ano.

O Brasil tem até 2020 para atingir a meta de ter 90% das pessoas com HIV diagnosticadas; deste grupo, 90% seguindo o tratamento; e, dentre as pessoas tratadas, 90% com carga viral indetectável. A meta mundial prevê novas infecções limitadas a 500 mil ao ano e zero discriminação.

Além do uso da camisinha, a prevenção combinada adotada pelo Brasil inclui o tratamento antirretroviral, a testagem regular do HIV, a Profilaxia Pós-Exposição ao HIV (PEP Sexual), o exame de HIV no pré-natal, medidas de redução de danos entre pessoas que usam álcool e outras drogas e o tratamento de outras DSTs.





VIVA MELHOR SABENDO



vivamelhor1

















Olá meus caros leitores.
Ontem dia 15 de maio de 2014 visitei minha amiga Lisa ( presidente da ONG - Grupo Esperança - em Curitiba)... Fui lá para tomar um chazinho e colocar nossos assuntos em dia. Somos amigas há muitos anos.
No meio da conversa ela me apresentou um novo trabalho que a ONG está fazendo aqui em nossa cidade. Trata-se de um novo método para verificar se a pessoa está positivada em relação ao vírus do HIV.
Ela pediu para eu fazer... Claro, que sempre dá um medinho, mesmo tendo feitos inúmeros exames, sendo que o último foi em dezembro passado.
Mas nesse novo método, é usada a saliva. Digamos que é quase como se fosse um teste caseiro, mas como precisão de 99%... Para ajudar a amiga e também verificar se tá tudo em ordem, topei.
Ela abre um envelope lacrado, onde tem um fluído e um bastonete para recolher a saliva. A saliva é colocada dentro do frasco por alguns minutinhos. Após, pinga-se o fluído em outro dispositivo e espera por mais 15 minutos. Passado o tempo, lá aparecerá 1 barrinha caso a pessoa para 'não reagente' e 2 barrinhas para 'reagente'. No caso se der reagente a pessoa será encaminha para o Coa, onde fará o exame de sangue e os primeiros tratamentos. E tudo isso com muita discrição.
No caso o meu teste deu 'não reagente', ufa!

No Brasil atualmente 718 mil pessoas vivem com o vírus do HIV. Cerca de 39 mil casos são registrados anualmente. E pelos estudos, aproximadamente 150 mil pessoas possuem o vírus e não sabem.

Fazer o exame e caso descubra que se é portador do vírus e logo começar o tratamento, fará com que se viva mais e com mais qualidade de vida, inclusive diminuindo muito o risco de transmitir para outras pessoas.

NOTA: vale sempre lembrar que o vírus não existe na saliva. Por isso o beijo não transmite o HIV.

Mais informações:

acesse o site do Grupo Esperança:

www.gesperanza.com.br



- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -


SÍFILIS


Sífilis é uma doença venérea...
A sífilis é uma doença milenar, descrita biblicamente. A palavra sífilis vem do grego: sys = porco + philein = amar e significa “amor imundo”. Já a palavra lues, usada como sinônimo de sífilis, vem do latim e significa praga, pestilência, epidemia e corrupção.


• 2637 a.C. – médicos chineses descrevem satisfatoriamente cancros genitais e manifestações cutâneas do secundarismo e terciarismo. O mercúrio era conhecido como medicação efetiva.

• 1100 d.C. – epidemia de sífilis na Inglaterra ligada à moda de banhos públicos.

• 29/10/1905 – Hoffman denomina o agente etiológico da sífilis de Treponema pallidum.


Pois é, já matou muita gente e mesmo hoje em dia, continua a fazer vítimas, principalmente por causa de algumas pessoas não se cuidam...

Atualmente em Curitiba, são muito altos os casos de Sífilis...

Clique no link abaixo e saiba muito mais sobre a doença:


http://www.aids.gov.br/pagina/sifilis





- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -



combate_aids














Dia Mundial d
o Combante à AIDS

Especial 1º dezembro de 2012



São Paulo, 30 de novembro de 2012.
O dia 1 de dezembro foi internacionalmente instituído como o Dia Mundial de Combate à AIDS. É quando o mundo une forças para a conscientização sobre essa doença. Dados do Ministério da Saúde apontam que hoje existem 630 mil pessoas que vivem com HIV no Brasil, sendo que 255 mil desconhecem essa situação e cerca de 30% dos pacientes ainda chegam ao serviço de saúde tardiamente.
Para saber o que a população conhece sobre as formas de prevenção da AIDS e seu tratamento, a Quanti Pesquisa de Mercado realizou uma pesquisa no mês de novembro. A pesquisa foi realizada com a colaboração da Coordenação Estadual DST/AIDS de São Paulo (Secretaria de Estado da Saúde).
Ao todo foram mil entrevistados, 450 homens e 550 mulheres com idades entre 18 e 55 anos, assim distribuídas: 18 e 24 anos (21%), 25 e 35 anos (45%), 36 e 45 anos (20%) e 46 anos ou mais (14%). Destes, 44% são solteiros, 51%, casados ou moram junto e 5% são separados ou viúvos. A maioria tem nível de escolaridade alto (39% têm ensino superior completo e 27% estão cursando ensino superior) e, 34% têm até o ensino médio.
Os resultados obtidos mostraram que 46% dos entrevistados fazem sexo de 1 a 2 vezes por semana (média geral de 2,1 vezes por semana), Deste grupo, 89% têm parceiros fixos, 7% têm parceiros fixos e eventuais e 4% somente, tem parceiros eventuais. Ainda neste grupo, 92% são heterossexuais, 2% homossexuais e 6% são bissexuais, 66% declararam usar camisinha e 34% que declaram não usar.
Nos últimos 12 meses, 54 % declaram comprar preservativos masculinos.
A compra de camisinhas é quase tão frequente entre as mulheres quanto entre os homens. Entre os que compraram 47% são mulheres, 45% são casados e 51% são solteiros. Ainda entre os que compraram preservativos masculinos nos últimos 12 meses, 74% têm parcerias fixas e 14% têm parcerias fixas e eventuais. Os preservativos femininos são pouco procurados, somente 7% das mulheres adquiriram o produto nos últimos 12 meses.
Ao responder sobre o uso de camisinha com parceiro fixo, 59% declaram usar preservativos (às vezes 37% e sempre usam 22%). Já aqueles que têm parcerias eventuais, 17% declaram nunca usar preservativos, 34% às vezes usam e 48% usam sempre.


Segundo Humberto Perissé, diretor da Quanti, os resultados surpreendem quando analisados os motivos do uso da camisinha. Dos entrevistados, 69% utilizam a camisinha como método contraceptivo, a segurança nas relações sexuais vem em segundo lugar com 58%. Já entre os que têm parcerias eventuais, este percentual sobe para 84%. Embora seja um percentual alto, ainda é pouco, mostrando a necessidade de reforçar as ações de conscientização.
Do total, 79% concordam que o uso de preservativos é a única maneira de evitar as doenças sexualmente transmissíveis, porém somente 38% utilizam preservativos quando não conhecem bem o parceiro, 15% só utilizam quando o parceiro pede ou exige e 9% se consideram tão cautelosos que nunca terão problemas. Há um bom nível de conscientização sobre o uso de preservativos, mas há também uma parcela muito significativa que deveria usar, mas não o faz, ressalta Perissé.
Indagamos aos entrevistados, sobre as formas de adquirir o vírus HIV e constatamos que existe falta de informação: se por um lado, 86% afirmam concordam que o vírus se transmite da mãe para o filho durante a gravidez, por outro, apenas 47% sabem que o vírus pode ser transmitido pelo leite materno. O beijo de língua não transmite o vírus, porém 23% acreditam que podem pegar a doença assim e 11% não sabem se essa possibilidade é verdadeira ou falsa!, complementa Humberto.
Felizmente, 99% sabem que o compartilhamento de agulhas ou seringas pode transmitir o vírus HIV demonstrando alto nível de conscientização para esta forma de transmissão.
Mesmo com 70% dos entrevistados afirmando conhecer a campanha Fique Sabendo, fica aqui o nosso convite para que você se informe, pois fazer o teste de HIV e de outras doenças é fundamental como forma de prevenção destas doenças (consulte o FiqueSabendo: www.aids.gov.br/fiquesabendo), ressalta Humberto. Quanto mais cedo o diagnóstico for feito, maiores as chances de iniciar o tratamento garantindo qualidade de vida para a pessoa.
A pesquisa mostrou que 32% já fizeram teste para diagnóstico do HIV pelo menos uma vez, 35% já fizeram mais de uma vez. Foi constatado que 33% nunca fizeram o teste e, neste grupo, 38% justificaram não ser necessário por não terem tido muitos parceiros sexuais, 21% justificaram que não necessitam porque não usam drogas, 5% justificaram não ser necessário porque não são homossexuais e 5% têm medo de saber o resultado. Estes números nos chamaram a atenção e despertaram para a real necessidade de incentivar as campanhas de testagem do HIV e de outras doenças, afirma Humberto.
O teste rápido já foi feito por 13% das pessoas (20% entre pessoas que têm parcerias eventuais). O teste rápido (www.aids.gov.br/teste-rapido) cujo resultado leva menos de uma hora, é uma importante ferramenta com que a rede pública conta, pois permite a ação imediata dos profissionais de saúde no diagnóstico e prevenção no enfrentamento da AIDS.
Para fazer o teste não é necessário estar em jejum. Se o teste rápido não foi feito, recomenda-se realizar o teste de HIV pelo menos 30 dias após relação desprotegida, pois o organismo leva tempo para produzir número de anticorpos capazes de serem detectados pelo teste. Daí a importância de realizar o teste periodicamente.
Outro serviço importante do DST-AIDS de São Paulo para a prevenção da AIDS é o PEP (Profilaxia Pós Exposição). A maioria (83%) nunca ouviu falar deste serviço. Conforme informou Ivone de Paula, gerente da Área de Prevenção do Programa Estadual DST-AIDS do Estado de São Paulo, o PEP consiste no uso de medicamentos até 72 horas após a relação sexual quando ocorrer falha ou não uso de camisinha com parceiros sabidamente positivos, acidente profissional ou violência sexual, reduzindo o risco de transmissão do HIV (Consulte o link: www3.crt.saude.sp.gov.br/profilaxia/hotsite/).
Os motivos para fazer o teste de HIV são os mais variados. Entre as mulheres, 47% fizeram o teste no período pré-natal. A curiosidade foi o motivo para 18% dos entrevistados, 31% por serem doadores, 7% por solicitação do empregador e 4% a pedido do parceiro. Apenas 10% fizeram o teste por ocasião de algum comportamento de risco.
Muitos são os que sabem que o teste de AIDS é gratuito na rede pública (80%), mas a maior parte (60%) fez o teste na rede privada, 30% na rede pública e 32% foram realizados por bancos de sangue.
Os testes da rede pública são realizados em serviços de saúde (CTA/COAS) e laboratórios, com uma amostra de sangue que permite verificar se a pessoa está ou não infectada. São feitos de forma anônima, gratuita e de maneira segura com acolhimento e aconselhamento.
Perguntados sobre a possibilidade de estar infectado pelo HIV 3% ponderaram esta possibilidade. Sobre o conhecimento da sorologia do parceiro sexual, 65% a conhece, mas 31% mantêm relações com parceiros sem saber se são ou não portadores do vírus. Estes números mostram o acerto no tema e no nome da campanha Programa Estadual de DST/AIDS deste ano: Tire o Peso da Dúvida.
O Programa também disponibiliza o serviço para tirar dúvidas sobre as doenças sexualmente transmissíveis, pelo número 0800162550 ou pelo e-mail duvidasaids@crt.saude.sp.gov.br, que funciona de segunda a sexta-feira das 8:00h as 18:00h.

Sobre a Quanti Pesquisa de Mercado www.quanti.net.br
A Quanti é uma empresa de pesquisa de mercado full service. Utiliza metodologia quantitativa e qualitativa e customiza soluções em pesquisa, oferecendo a combinação adequada de técnicas de coleta de dados e interpretação de resultados de pesquisa.

Informações para Imprensa
CARVALHO COMUNICAÇÃO
Tel. (5511) 99982-7746
Eliane Carvalho MTB: 17.980
eliane_carvalho@carvalhocomunicacao.com.br

,,,,,

NOTA DA DRIKKA:

Pois é, a Aids continua matando... infelizmente muitos brasileiros são soropositivos e não sabem... descobrem muitas vezes tardiamente e em situações já complicantes.
Muitos profissionais do sexo costumam não usar camisinhas... e muitos clientes destes vão na onda e também não usam...
Não existe ainda uma vacina eficaz contra o vírus da Aids.
Por isso a melhor forma de proteção é a camisinha.
Proteja-se e proteja seus entes queridos...

Se você fez sexo com parceiros desconhecidos de grupos de riscos ( profissionais do sexo por exemplo) e sem proteção, procure fazer o exame depois de três meses após a prática.
Se você souber que tem o vírus e ainda não tem manifestações da doença, é mais fácil um controle.
Em Curitiba procure o COA e faça o exame gratuitamente...


CENTRO DE ORIENTAÇÃO E ACONSELHAMENTO (COA)

O COA (Centro de Orientação e Aconselhamento) é um serviço de prevenção em HIV/Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis, que realiza diagnóstico do HIV através de Teste Rápido, acompanhado de aconselhamento, de forma anônima, gratuita e confidencial. Horário para a coleta de exames de HIV: Segunda a sexta-feira 8h às 17h.
Disk Aids: 3322-2200.

Endereço: RUA DO ROSARIO, 144

Complemento: 6º ANDAR

Bairro: São Francisco Curitiba - PR

CEP: 80020110

Regional: Matriz

Telefone: (41)3321-2781 Ramal: 33212779

SMS - Secretaria Municipal da Saúde
DISTRITO SANITÁRIO MATRIZ



- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -



NÃO ESQUEÇA: SEXO SEGURO FAZ BEM EM TODOS OS SENTIDOS...
.......


SEXO ORAL PODE CAUSAR CANCER DE GARGANTA

O tabaco, substância presente no cigarro, e o consumo de bebidas alcoólicas sempre foram apontados como um dos principais fatores para desenvolvimento de câncer na região da garganta. Pois agora cientistas afirmam que o sexo oral ocupa o topo da lista entre os comportamentos de risco.

Pesquisa realizada pela Universidade do Estado de Ohio, nos Estados Unidos, descobriu que o vírus HPV atualmente é a principal causa da doença em pessoas com menos de 50 anos. O papiloma vírus humano pode provocar lesões de pele ou em mucosas. Existem mais de 200 variações com menores e maiores graus de perigo. Um deles é o causador de verrugas no colo do útero, consideradas lesões pré-cancerosas.

Homens com mais de 50 anos costumavam ser as principais vítimas do câncer de garganta. Principalmente aqueles com histórico de fumo e consumo de bebida alcoólica. Mas o problema tem crescido em faixas etárias mais baixas, e dobrou nos últimos 20 anos nos Estados Unidos em homens com menos de 50 anos devido ao vírus.

Outros países como Inglaterra e Suécia também identificaram aumento da doença devido ao HPV. Na Suécia, apenas 25% dos casos tinham relação com o vírus na década de 1970 e, agora, o índice chega a 90%, de acordo com uma das pesquisadoras, a professora Maura Gillison.

Segundo ela, alguém infectado com o tipo de vírus associado ao câncer de garganta tem 14 vezes mais chances de desenvolver a doença. "O fator de risco aumenta de acordo com o número de parceiros sexuais e especialmente com aqueles com quem se praticou sexo oral", afirmou a pesquisadora.

Os resultados do levantamento vão ao encontro de outros já feitos sobre o mesmo tema, como o realizado pela Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Realizado no ano passado, o estudo apontou que pessoas que tiveram mais do que seis parceiros com quem praticaram sexo oral tinham nove vezes mais chances de desenvolver câncer de garganta. Nos que já haviam tido algum tipo de infecção provocada pelo HPV, o risco subia para 32 vezes.

Os médicos que realizaram o levantamento sugeriram que homens também sejam vacinados contra o vírus, como é recomendado para as mulheres. Em países como Inglaterra, meninas de 12 e 13 anos recebem a vacina contra HPV e, segundo dados, previne até 90% dos casos de infecções.

No Brasil, há dois tipos de vacinas disponíveis, contra os tipos mais comuns de câncer do colo do útero, mas o governo alerta que não há evidência suficiente da eficácia da vacina, o que só poderá ser observado depois de décadas de acompanhamento. O governo também recomenda a prática de sexo seguro como a melhor maneira de se prevenir.

Nota da Drikka:

Pois é pessoal, ainda alguns dizem que usar camisinha é como chupar bala com papel na hora do coito, pois agora tem que chupar literalmente bala com papel. Cada vez estão surgindo mais doenças relacionadas com o sexo. Por isso é imprescindível o uso da camisinha. É uma delícia uma gulosa e, principalmente aquela gozada na boca não é mesmo? Mas, hoje se tornou sinônimo de riscos. Se você é uma pessoa que tem um rodízio muito grande de parceiros, cuidado! E, não estou apenas falando de chupar pau, os chupadores de bocetas, correm riscos também.



- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -


DIA 1º DE DEZEMBRO - DIA MUNDIAL DE COMBATE à AIDS


combateaaids













1º dezembro/2010

1º de dezembro - Dia mundial de Combate à Aids

Cerca de 630 mil brasileiros vivem com HIV em todo o país – desses, 255 mil não sabem que foram infectados. Os dados foram divulgados hoje (1º) pelo Ministério da Saúde. De acordo com a pasta, o número de testes de HIV distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) dobrou, passando de 3,3 milhões, em 2005, para 8,9 milhões em 2009. O índice de testagem para HIV em todo o país, no ano passado, foi de 38,4%.

Aumento do número de infecções

O número de novas infecções por HIV no Brasil passou de 37.465, em 2008, para 38.538, no ano passado, de acordo com dados divulgados hoje (1º) pelo Ministério da Saúde. Em média, são registrados 35 mil novos casos de Aids por ano.De acordo com a pasta, o crescimento não é preocupante, porque é reflexo do aumento de testagens em todo o país. Ao todo, atualmente, há 630 mil infectados no Brasil. A faixa etária preponderante é dos 30 a 49 anos.O boletim epidemiológico aponta ainda que 11.839 pessoas com HIV morreram em 2009, praticamente o mesmo número registrado em 2008 (11.815). Desde os anos 80, mais de 229 mil pessoas morreram em decorrência da doença.

Aids entre os jovens

Entre os menores de 5 anos, os dados apontam para uma redução de 44,4% no número de novos casos entre 1999 e 2009. Em relação aos adolescentes, o Ministério lembra que nos últimos anos houve uma inversão no perfil de infectados e, hoje, na faixa de 13 a 19 anos, há mais jovens do sexo feminino que do sexo masculino com Aids. Dos jovens infectados, 20, 1% são homossexuais, 11,5% são bissexuais e 30,5% são heterossexuais.

Regiões

Os registros de novos casos de Aids acumulados de 1980 a junho de 2010 indicam que a maior parte dos infectados está no Sudeste (58%). Em seguida, estão as regiões Sul (19,5%), Nordeste (12,5%), Centro-Oeste (5,7%) e Norte (4,2%).

Informações da Agência Brasil.


Setembro/2009





DOIS VÍDEOS SUPER LEGAIS SOBRE PREVENÇÃO DA AIDS.




VIVA TEMPO SUFICIENTE PARA ENCONTRAR A PESSOA CERTA!
VERSÃO GAY...






VIVA TEMPO SUFICIENTE PARA ENCONTRAR A PESSOA CERTA!
VERSÃO HETEROSSEXUAL...



- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -



DSTs
Doenças sexualmente transmissíveis

São doenças infecciosas transmitidas na maioria das vezes através do contato sexual sem proteção. Também conhecidas como doenças venéreas. Entre as principais estão a sífilis, a gonorréia, o cancro mole, a candidíase, o condiloma, o granuloma inguinal, algumas hepatites virais, o herpes simples genital e a Aids. Essas doenças surgem principalmente como corrimentos vaginais ou uretrais, úlceras genitais, tumorações na virilha, verrugas e bolhas nas regiões genitais. Apresentam coceira e dor localizada. No caso da Aids e das hepatites, os órgãos genitais servem apenas de entrada das doenças, pois os sintomas aparecerão especificamente em outros lugares ou órgãos do corpo. A melhor forma de prevenção é o sexo seguro. Caso você apresente algum sintoma ou tenha feito sexo sem proteção com pessoas de riscos,  é imprescindível uma consulta médica e exames laboratoriais. Todas as doenças sexualmente transmissíveis são passíveis de tratamento. As ocasionadas por fungos ou bactérias tem cura, já as causadas por vírus como a Aids, podem ser controladas atráves de medicamentos como os coquetéis. Quanto mais cedo for tratada uma possível infecção, melhores serão as chances de cura, bem como o aparecimento de doenças crônicas como nos casos dos soropositivos de Aids.

O número de doentes por causa de doenças venéreas tem aumentado muito nos últimos tempos, tornando-se um flagelo social. E é certo que a causa tem sido a promiscuídade sexual sem controle e segurança, além do uso de drogas lícitas e ilícitas... Em alguns lugares do mundo, a cultura, a religião, a falta de atendimento médico tem agravado a causa, principalmente em relação a Aids.

---------------


A DOR E A DELÍCIA DO PRAZER

O sexo é uma delícia, faz bem, nos leva ao paraíso no momento do gozo, mas também pode nos trazer terríveis pesadelos, inclusive a morte, através de inúmeras doenças que se contrai  sem proteção... Como compulsiva sexualmente sempre estive entre a cruz e a caldeirinha, principalmente quando ainda era mais novinha, pois como todo mundo, em certas épocas das nossas vidas não conseguia pensar com o cérebro, mas sim com o órgão sexual. No momento do bem bom, muitas vezes deixamos de pensar nas consequências do ato. Se o tesão aperta e estamos sem camisinhas, tem que ter muito jogo de cintura pra se controlar ou evitar o pior, no caso sexo com penetração que é mais arriscado em termos de DSTs ou Doenças Sexualmente Transmissíveis. As dsts sempre existiram e dizimaram milhões de pessoas, pois em épocas passadas, não existiam recursos como nos dias de hoje. Mas nos dias de hoje vivemos sob a ameaça do que podemos dizer de a pior de todas as DSTs, a Aids. Aids, sigla em inglês para Sida ( Síndrome da Imonudeficiência adquirida). A Aids apareceu no início dos anos 80 entre homossexuais e de lá pra cá matou muita gente, inclusive heterossexuais. Pelo fato de que no início esteve mais presente entre os gays, ficou conhecida também como peste gay. Mas, hoje em dia, ela mata qualquer um, tanto homens como mulheres, gays ou não, todos correm riscos sem a devida proteção. Quero nesta página falar sobre Aids, hepatites, gonorréia, sífilis e HPV. Como uma escritora de relatos eróticos, levo muita inspiração para meus leitores e quero aproveitar para também levar informação, para os aficcionados por sexo, por aventuras sexuais, para que o prazer exista sem culpas posteriores. Cada pessoa tem seu jeito de amar, de transar, de pensar... Mas, a dor de uma transa mal feita, não precisa ser sentida não é mesmo? Ninguém merece! Se merecer é porque o fez para isso. Pense a respeito...




MEUS EXAMES DE SAÚDE:




Como fazia no blog, toda vez que fazia exames, postava para meus leitores e clientes. Nesta última segunda-feira, dia 13 de setembro de 2010,  fiz o que eu acho que deve ter sido o meu 42º exame de HIV. Peguei o resultado ontem. Normal, quer dizer: amostra negativa para HIV. Então, acho que tenho me cuidado, pois como citei acima, faço parte de grupo de riscos, mas diferentemente de muitas por aí, tenho  tido e dado prazer, sem pegar ou passar doenças para os outros. E, aí qual é o segredo? Higiene, cuidado e sensatez. O prazer só é total, quando não nos deixa com um peso na consciência depois de tê-lo sentido... Faz todo o sentido não é?

Cuide-se bem... Cuide de você...
Cuide de quem você ama, pois mesmo com todo o amor que de repente você sente por alguém em especial, você não consegue deixar de dar uma escapadinha por aí... Trair, ainda vá lá, mas levar uma doença para sua companheira não tem perdão!


ATUALIZAÇÃO DE EXAMES ( SUJEITO A ATUALIZAÇÃO EM QUALQUER DATA :

recebi um e-mail de um fã do site em dúvidas sobre meus exames laboratoriais sobre doenças venéreas. Ele comunicou que viu este de 2010 e não mais. Pois é, achou ele, que eu não mais os fiz... Para quem acompanha meu diário ( blog ) verá que fiz novas atualizações sobre o tema, mas lá no diário/blog!!!
Veja menções a respeito de meus exames de doenças venéreas em 22 de janeiro de 2011 ... também em 24 de junho 2012  ... 14 de dezembro de 2012... 04 de julho de 2013... 03 de dezembro de 2013... 16 de maio 2014 com amostra de saliva...  junho 2014 para realização da minha troca de mamas em julho 2014 ... 20 de março 2015, 21 de dezembro de 2015, 25 de Agosto de 2016, 31 de maio de 2017, 30 de outubro de 2017...


Boneca Drikka


Quer saber mais o vírus do HIV?
Clique no link ao lado e saiba mais
COMO FUNCIONA A AIDS              


Site Map